Notícias

Estudos já são realizados há pouco mais de 130 anos e tem registrado dados para deixar a população ainda mais alerta.

(Por Felipe Rodrigues/ Informações do Portal G1 e agências internacionais)

 

Tem sido muito comum ouvir comentários de que as estações do ano não fazem mais sentido. Calor no inverno, frio no verão e chuvas fortes que nos últimos anos têm ocasionado desastres naturais que, infelizmente, já são fatos rotineiros. Porém, existe uma opinião coletivamente em comum: o calor durante o verão é cada vez mais intenso.

Mas não se impressione com as altas temperaturas registradas no fim de 2012. A Agência France Presse divulgou estudos da Nasa e NOAA – National Oceanic and Atmospheric Administration – que preveem anos ainda mais quentes no mundo todo, além de registrar o ano de 2012 entre os dez com temperaturas mais altas desde que estudos como esse passaram a ser feitos, em 1880.

Uma das principais causas desse aumento são as emissões industriais de carbono (o que não é mais novidade) e outros gases que dão consequência ao efeito estufa. No ritmo em que estamos, tais emissões podem piorar ainda mais esses registros anuais.

Com anos cada vez mais quentes, devemos priorizar ainda mais a nossa parte em reduzir, ao máximo, qualquer tipo de poluição. Fazer manutenções regularmente em nossos veículos já é uma grande iniciativa, por exemplo.

Segundo a NOAA, 2012 foi o 36º ano seguido em que a temperatura ultrapassa a média. A área continental dos Estados Unidos, por exemplo, obteve o registro de temperaturas mais quentes em toda a história.

Já para a Nasa, 2012 foi o nono com temperaturas mais altas desde 1880, com temperatura média de 14,6 ºC – 0,6 ºC mais quente do que a média do século passado. Ainda segundo a agência espacial americana, em 1880 o nível de dióxido de carbono (CO2) na atmosfera era de 285 partes por milhão (ppm). Em 1960, passou a ser de 315 ppm; já em 2012, a medição apontou 390 ppm.

Mapa da Nasa registra os altos índices de temperatura no período de 2008 até 2012. (Foto: Divulgação/Nasa)

 

Na Austrália, as temperaturas de verão estão excedendo 50° C, fazendo com que ocorram incêndios florestais e com que o país enfrente uma das maiores ondas de calor em toda a sua história. As altíssimas temperaturas até fizeram com que os meteorologistas adicionassem novas ferramentas em seus gráficos de registro..

De fato, os registros são preocupantes e a nossa parte deve ser feita. Uma medida que influi diretamente para o controle nas mudanças climáticas é usar menos o transporte individual e utilizar mais os transportes públicos. Assim serão menos veículos circulando e gerando menos poluentes.

Os números alarmantes devem servir como forma de incentivo para que cuidemos do meio onde vivemos. Tais iniciativas vão além de benefícios próprios de nossa geração, com resultados melhores para nossos filhos e netos.


 

Instituto Ethos