Notícias

29/11/2011 – São José dos Campos: Imagens de satélites e observações meteorológicas serão usadas para monitorar safras e melhorar a informação sobre a oferta de alimentos em escala global. Boa parte da crescente população mundial está nos países que enfrentam os maiores problemas com a insegurança alimentar. A solução de questões como a volatilidade dos preços, o acesso à comida e o aumento sustentável da produtividade passa pela melhoria da informação sobre a atividade agrícola.

O Brasil, através do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), integra o Grupo de Observação da Terra (GEO, na sigla em inglês), organismo intergovernamental responsável por parte do plano de ação recentemente lançado pelos chefes de Estado dos países do G20, que reúne as maiores economias do mundo. A ideia é monitorar a produção de soja, milho, trigo e arroz – commodities agrícolas de alto consumo e impacto no mercado internacional.

Pesquisador do INPE por mais de duas décadas, o engenheiro agrícola e doutor em Física do Sensoriamento Remoto João Vianei Soares há um ano está em Genebra, Suíça, como consultor do secretariado do GEO para agricultura. Sua missão é coordenar iniciativas voltadas ao monitoramento da produção, além de discutir com os países a oferta livre de dados que possam contribuir com a construção de um sistema global. Ex-coordenador de Observação da Terra do INPE, hoje está à frente de ações que levaram à aprovação da iniciativa GEO GLAM (Global Agriculture Monitoring), em colaboração com os representantes do ministério da agricultura da França, que presidiu o G20 no último ano.

“O monitoramento global da agricultura através do GEO é um dos itens do plano do G20 voltado à agricultura e volatilidade dos preços dos alimentos. O objetivo é melhorar a informação sobre a produção de grãos em todo o mundo, dando transparência às informações, para orientar decisões dos governos sobre suas políticas agrícolas e evitar especulação sobre estoques e volatilidade dos preços”, explica Soares.

A projeção das safras depende da informação de tempo e clima e do monitoramento baseado em satélites, associada a outros indicadores econômicos e sociais. Alguns países têm seus próprios sistemas, enquanto outros, ainda que contem com as informações necessárias, não possuem um programa efetivo para acompanhar a produção. Estados Unidos, China e União Europeia já possuem sistemas que monitoram a atividade agrícola no mundo. A FAO, organismo das Nações Unidas para a Agricultura, tem um sistema voltado a países com risco de fome.

“Países como o Brasil, que são grandes produtores e exportadores, ganharão muito com a transparência de um sistema que integre os grandes programas de estimativa de safras existentes no mundo. Outros monitoram nossa produção há bastante tempo, ou seja, ela já é ‘transparente’ para alguns países do mundo”, diz o consultor do GEO para agricultura, que destaca a experiência brasileira no monitoramento por satélites do uso da terra e a meteorologia nacional. “Nossa capacidade em aplicações de dados de satélite é reconhecida em todo o mundo, mas podemos fazer mais em agricultura, auxiliando os setores que tem a atribuição de produzir as estatísticas agrícolas e formular e gerenciar as políticas de abastecimento”.

O GEO atuará para melhorar a capacidade da comunidade internacional de produzir e difundir informações relevantes para o monitoramento da produção agrícola em escala nacional, regional e global. Também orientará estratégias das agências espaciais para investir em tecnologias de sensoriamento remoto e no aumento da quantidade de dados relevantes ao monitoramento agrícola.

O lançamento do satélite sino-brasileiro CBERS-3, no segundo semestre de 2012, assim como novos instrumentos da Europa, Japão, Índia e Estados Unidos, é fundamental para o sucesso do sistema global de monitoramento agrícola.

As informações devem ser abertas, como as imagens de satélite do INPE, que foi a primeira instituição no mundo a permitir o acesso livre e gratuito pela internet de dados orbitais.

A iniciativa do GEO, que reúne 90 países e 60 organizações, somada à decisão do G20 de adotar um sistema de monitoramento global, deve resultar em 2012 num plano para implantar ações e definir metas, prazos e atribuições. Também haverá um plano de coleta de dados específicos que será submetido às agências espaciais. A partir de então, devem ser empregados sete milhões de dólares por ano, com contribuições do G20 e de instituições como o Banco Mundial.

“O investimento adicional será voltado para o desenvolvimento da capacidade (treinamento e infraestrutura) de países que dela necessitam e é muito pequeno em relação ao benefício, pois a iniciativa se baseia em recursos já existentes vindos de contribuições ‘in-kind’ em satélites, equipes e programas já em operação. Segurança alimentar e volatilidade de preços de commodities agrícolas sempre serão prioridade num mundo que precisa dobrar sua produção agrícola nos próximos 40 anos para garantir comida de nove bilhões de pessoas. São questões que custam muito, muito mais, a cada um de nós e a todo o mundo, basta lembrar que a crise recente que resultou no fim de vários regimes e governos no médio oriente e norte da África tem na sua origem a falta e o alto preço dos alimentos”, conclui Soares.

Instituto Ethos