Notícias

A utilização de plantas nas paredes externas de prédios em uma mesma rua, chamados de “corredores verdes”, são mais efetivos na redução de poluição do que as áreas verdes em cidades, segundo estudo britânico. Isso porque eles são capazes de reduzir em até 30% a quantidade de poluentes do ar, contra 5% da outra ação.

O novo estudo conduzido por cientistas das universidades de Birmingham e Lancaster foi publicado no periódico Tecnologia e Ciência do Ambiente, e mostra que os corredores são uma das maneiras relativamente mais fáceis de controlar os problemas locais de poluição.

“Até agora todas as iniciativas para tentar reduzir a poluição têm sido feitas de cima para baixo, como livrar-se de carros velhos, acrescentar catalisadores e até introduzir taxas de congestionamento – e elas não têm mostrado o efeito desejado. O benefício dos corredores verdes é que eles limpam o ar que entra e fica no espaço entre os prédios”, explicou a BBC, Rob MacKenzie, um dos autores da pesquisa.

Os corredores são placas cobertas com plantas trepadeiras, que crescem acopladas a uma estrutura, colocadas sobre as paredes exteriores de construções nas cidades. Ao contrário das chamadas “paredes verdes”, eles são mais resistentes e não exigem muito cuidado, o que gera assim um custo bem menor.

Os estudos revelaram os benefícios dos corredores verdes, mas segundo Tom Pugh, outro autor do estudo, existe também dificuldades a serem enfrentadas. “Precisamos tomar cuidado quanto às plantas: como e onde plantaremos tais tipos de vegetação, além de garantir que não sejam afetadas por seca, não sejam atingidas por calor excessivo e que não sofram ações de vândalos”, apontou.

EcoDesenvolvimento (Com informações da BBC)

Instituto Ethos