Notícias

O custo estimado dos impactos de desastres naturais na América Latina e Caribe é superior a dois bilhões de dólares por ano, afirmou em artigo o especialista em gestão de desastres naturais do Banco Mundial, Joaquin Toro. Para ele, a América Latina está localizada em uma das áreas mais propensas a desastres naturais — não tomando, no entanto, medidas suficientes de prevenção. Nove dos 20 países mais expostos ao impacto econômico de um desastre estão localizados na região. Entretanto, isso não significa que nenhum progresso tenha sido feito, escreveu Toro. A redução do risco de desastres está cada vez mais presente na agenda dos governos na América Latina.

Toro chamou atenção para um dos eventos mais importantes do mundo sobre a avaliação de risco: Compreensão de Risco Brasil (URBR), uma espécie de maratona de ideias para compartilhar experiências e inovações na área de avaliação de risco. Ocorrendo de 12 a 14 de novembro em Belo Horizonte, esta será a primeira versão do evento a ser realizada no Brasil. Toro também dá exemplos de ações que deram certo em outras partes do mundo e chama os governos a atuar mais efetivamente para obtenção de resultados positivos.

Entre as iniciativas citadas, estão: o Capra (avaliação probabilística do risco), que há dois anos era apenas um protótipo e já é usado em vários países da América Latina e no sul da Ásia; Iniciativa Arquivos Abertos, que começou timidamente após o terremoto no Haiti e agora permite ver vários projetos na África, com a ferramenta Open Street Map; o Modelo Global de Terremoto (GEM na sigla em inglês); e, finalmente, avanços na aplicação de estratégias financeiras, baseados no conhecimento do risco de vários países.

Saiba mais sobre o evento em www.understandrisk.org/URBR

Fonte: ONU Brasil/EcoAgência

Instituto Ethos